Páginas

04/09/2009

Que fala você sobre o aborto? ||| Samael Aun Weor

P. - Venerável Mestre: que fala você sobre o aborto?

R. - O aborto é uma destruição da obra da Mãe Natureza. Bem sabemos que a Deusa Mãe Natura trabalha criando organismos. Cada um de nós a leva dentro de si mesmo na própria psique e é Ela quem une o zoosperma ao óvulo; Ela é quem elabora a célula germinal primitiva com seus quarenta e oito cromossomos; Ela é a que da os impulsos para a formação genuína da célula germinal primitiva e graças a isto, o organismo se desenrola e se converta num arquétipo criador. Assim, pois, em realidade, de verdade, a Mãe Natura luta intensamente para fixar um organismo e quando alguém destrói sua obra, comete um crime que de modo algum pode passar desapercebido para a Grande Lei. Seria absurdo que a Grande Lei estivesse de acordo com este tipo de destruição e naturalmente sanciona severamente a todo aquele que destrói a obra da Mãe Natureza. Então, o aborto provocado intencionalmente é um homicídio, sancionado como tal pela Grande Lei.

P. - Mestre. E quando sobrevem o aborto involuntário, pode considerar-se como um Karma?

R. - Nem sempre é karmico, pois muitas vezes um acidente pode provocar o aborto. É karmico, algumas vezes, como nos casos em que mulheres começam a gestar uma criatura e, uma e outra vez, falham em seus intentos.

P. - Em rasgos gerais, que conseqüências trará a humanidade a legalização do aborto?

R. - Como queira que a humanidade está dedicada ao erro e ao aborto se for legalizado e se tomar como um direito norma já oficializado, isto acarretará num karma terrível para os habitantes da Terra. É claro, que quem não tenha provocado abortos não terá nada que pagar, porém tudo isso, em geral, influirá nas grandes catástrofes que se avizinham.

Samael Aun Weor

2 comentários:

Gaia Lil disse...

Creio que nenhum mestre deveria intervir num assunto que pertence somente a Mulher a a Mãe que cada mulher encarna em si. Não sou contra nem a favor do aborto mais creio que não deveria ser homens nem mestres a decidir isso senão nossa propria consciência e profundidade individual, senão a propria mulher que deve se expor ao riscos que quiser. Preferiria ouvir a voz de uma mulher ante ao assunto.

Abraços

Anônimo disse...

Aborto é assassinato uterino e é tão repugnante quanto o infanticídio. A mãe que aborta o próprio é uma assassina ignorante que nada entende de fisiologia da reprodução! Quem se diz preocupado com a expansão demográfica ou é favorável à redução populacional deveria enfiar uma bala no próprio crânio e começar a redução matando a si mesmo.